“Aquele que desceu é também o mesmo que subiu acima de todos os céus, para encher todas as coisas. E ele mesmo concedeu uns para apóstolos, outros para profetas, outros para evangelistas e outros para pastores e mestres, com vistas ao aperfeiçoamento dos santos para o desempenho do seu serviço, para a edificação do corpo de Cristo, até que todos cheguemos à unidade da fé e do pleno conhecimento do Filho de Deus, à perfeita varonilidade, à medida da estatura da plenitude de Cristo, para que não mais sejamos como meninos, agitados de um lado para outro e levados ao redor por todo vento de doutrina, pela artimanha dos homens, pela astúcia com que induzem ao erro. Mas, seguindo a verdade em amor, cresçamos em tudo naquele que é a cabeça, Cristo, de quem todo o corpo, bem ajustado e consolidado pelo auxílio de toda junta, segundo a justa cooperação de cada parte, efetua o seu próprio aumento para a edificação de si mesmo em amor.” (Ef 4:10-16)

Quão profundo amor

Written by Stefano Mozart on . Posted in Hinos e cânticos espirituais

How Deep the Fathers Love For Us

How deep the Father’s love for us
How vast beyond all measure
That He should give His only Son
To make a wretch His treasure

How great the pain of searing loss,
The Father turns His face away
As wounds which mar the chosen One
Bring many sons to glory

Behold the Man upon a cross,
My sin upon His shoulders
Ashamed I hear my mocking voice
Call out among the scoffers

It was my sin that held Him there
Until it was accomplished
His dying breath has brought me life
I know that it is finished

I will not boast in anything
No gifts, no power, no wisdom
But I will boast in Jesus Christ
His death and resurrection.

Why should I gain from His reward?
I cannot give an answer
But this I know with all my heart
His wounds have paid my ransom

Quão profundo é o amor do Pai por nós

Quão profundo é o amor do Pai por nós,
Quão vasto, além de qualquer medida,
Pra que Ele desse Seu único filho
Para fazer de um infeliz o seu tesouro.

Quão grande dor e aflição –
O Pai virou-lhe a face –
Enquanto as feridas que amargam o Escolhido,
Trazem muitos filhos à glória.

Eis o homem sobre a cruz
Meus pecados sobre os seus ombros
Envergonhado, ouço minha voz zombadora
Clamando em meio aos escarnecedores.

Foi o meu pecado que o prendeu lá,
Até que estivesse consumado.
Seu suspiro ao morrer trouxe-me vida
Eu sei que está consumado.

Não me gloriariarei em nada:
Nem em dons, poder ou sabedoria.
Mas me gloriarei em Jesus Cristo,
Sua morte e ressurreição.

Por que eu participaria de seu galardão?
Eu não posso dar uma resposta.
Mas isso eu sei, com todo o meu coração:
Suas feridas pagaram meu resgate.

 

 

Não serei abalado!

Written by Stefano Mozart on . Posted in Citações, trechos de livros etc

O Senhor, tenho-o sempre à minha presença; estando Ele à minha direita, não serei abalado.

Salmos 16:8

Esta é a maneira que devemos viver. Tendo o Senhor sempre à nossa presença, teremos o companheiro mais nobre, o exemplo mais santo, a consolação mais agradável e a influência mais poderosa. Essa tem de ser a atitude resoluta de nossos corações. “Tenho-o sempre à minha presença” é a atitude que precisa ser mantida com firmeza e determinação. Estar sempre contemplando o Senhor e ouvindo sua voz – essa é a atitude correta para o homem piedoso. Seu Deus está bem perto dele, enchendo todo horizonte de sua visão, guiando-o no caminho da vida e providenciando o assunto de suas meditações. Quantas vaidades evitaríamos, quantos pecados venceríamos, quantas virtudes manifestaríamos, quantas alegrias experimentaríamos, se realmente colocássemos o Senhor sempre à nossa presença! Por que não o fazemos?

Esta é a maneira de ficarmos seguros. Estando o Senhor sempre em nossas mentes, chegaríamos a sentir segurança e certeza, porque seu Ser estaria bem próximo de nós. Ele está à nossa direita para ajudar-nos e guiar-nos. Portanto, não somos abalados pelo temor, nem pela força, nem pelo engano, nem pela volubilidade. Quando Deus permanece ao lado direito de uma pessoa, esta com certeza permanecerá firme. Vinde, inimigos da verdade! Avançai contra mim como uma tempestade furiosa, se quiserem. Deus me sustenta e permanece comigo. A quem eu temerei?

Autor: Charles Haddon Spurgeon (1834 – 1892)

Eis-me aqui

Written by Stefano Mozart on . Posted in Hinos e cânticos espirituais

A tua luz acendeu meu coração
E eu pude ver em meio a escuridão
Tua Presença, tua fidelidade, graça e amor
Me levantaram outra vez
Me deram forças e prosseguirei
Irei contigo, onde quer que fores, meu Senhor
O Teu chamado cumprirei na alegria ou na dor
E toda vez que eu chorar
Ou quiser desanimar
O Teu Espírito
Me consolará
Se é na fraqueza do meu ser
Que manifestas teu poder
Eis-me aqui
Dependo de Ti,
Preciso de Ti
Irei contigo, onde quer que fores, meu Senhor
O Teu chamado cumprirei na alegria ou na dor
E toda vez que eu chorar
Ou quiser desanimar
O Teu Espírito
Me consolará
Se é na fraqueza do meu ser
Que manifestas teu poder
Eis-me aqui
Dependo de Ti,
Preciso de Ti
Toda Glória, toda Vitória eu sei
Pertence a Ti
Toda honra, todo o louvor entrego a Ti
Porque sem Ti, Não estaria aqui

Composição: Ana Paula Valadão